África e Brasil Africano
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email  

A África é parte importante da
história da humanidade

Marina de Mello e Souza
 
Marina de Mello e Souza acaba de publicar um livro precioso, África e Brasil africano. Em formato grande, ilustrado primorosamente, o volume é resultado, em grande parte, de sua experiência em sala de aula.
Interessada sempre no tema "cultura popular", abordado a partir de uma perspectiva que aproxima história e antropologia, a professora de História da África da USP tem-se dedicado a estudos sobre a África centro-ocidental (a região da atual Angola) e, mais especificamente, sobre as maneiras como os africanos incorporaram o catolicismo, com ênfase nos séculos XVII e XVIII.
Em entrevista ao Boletim Ática, a historiadora fala a respeito de suas pesquisas sobre os temas africanos, do melhor aproveitamento de seu livro em sala de aula e, entre outros assuntos, aborda também a herança africana que compõe corpo e alma do Brasil.


Boletim Ática:
Como se deu sua aproximação com os assuntos africanos?

Marina de Mello e Souza:
Depois de concluir o mestrado, continuei pesquisando festas populares e escolhi as congadas como tema. Ao iniciar as pesquisas para montar um projeto, sugeriram que me dedicasse a estudar a África, pois me ajudaria a entender as festas afro-brasileiras.
Como na época eu morava em Los Angeles, freqüentei por três anos a
biblioteca da Universidade de Los Angeles, lendo sobre a sociedade brasileira escravista, sobre cultura afro-americana e sobre África, continente
que aos poucos fui descobrindo.

Boletim Ática:
O conteúdo temático de África e Brasil africano é riquíssimo, assim como bastante diversificado. Como deve ser o melhor aproveitamento
do livro em sala de aula?

Marina:
Em grande parte, o livro é resultado da minha experiência em sala de aula. Há um
roteiro que lhe dá uma seqüência lógica e temporal, que percorre uma introdução a algumas sociedades africanas, o tráfico de escravos (especialmente para o Brasil), a inserção dos
africanos e seus descendentes na sociedade brasileira escravista, a contribuição africana
para a formação da nossa sociedade, etc.
O livro pode ser trabalhado nessa seqüência ou destacando-se partes específicas, pois os
capítulos também podem ser tomados de forma independente - mesmo não sendo o mais
indicado, pois assim se perde a visão de totalidade unindo África e Brasil, que é o
pano de fundo do livro.
O texto principal é denso, apesar de acessível a um leitor médio, permeado de boxes que
esclarecem sobre temas específicos. As imagens e suas legendas constituem uma terceira possibilidade de leitura, e também servem de ilustração ao texto. Os mapas trazem todas as localidades mencionadas nos textos e são fundamentais para a melhor compreensão deles.
Acredito que o professor deva familiarizar-se com o livro para então fazer sua opção de como trabalhá-lo com os alunos, em função da estrutura do seu curso, podendo dar maior ênfase a
um ou outro aspecto, conforme seu planejamento didático.

Boletim Ática:
Por ser muito nítida a presença africana entre nós, fica facilitada
sua compreensão?

Marina:
Apesar de estarmos acostumados com a presença do negro na sociedade brasileira,
nossa percepção ainda é cheia de preconceitos. Espero que o livro ajude a percebermos como conhecemos muito pouco sobre a sua real contribuição para a formação da nossa sociedade - e
como sabemos menos ainda sobre as sociedades de origem dos africanos escravizados.

Boletim Ática:

Imagens e informações difundidas regularmente em todo o mundo transmitem
uma idéia de dissolução de parte do continente africano, seja por doenças, pela pobreza ou por disputas políticas, étnicas e religiosas. Como deve ser sustentada didaticamente a importância milenar da África?

Marina:
A África é parte importante da história da humanidade. O homo sapiens partiu da
África para sua aventura rumo ao aprimoramento; o Egito existiu no norte da África; a Etiópia adotou o cristianismo no século V; no século VII, árabes, indianos e persas comerciavam na
costa oriental da África, onde trocavam ouro e marfim por porcelana chinesa e tecidos indianos; Cartago, no norte da África, foi província romana; grande parte do ouro que circulava nas rotas
do Mediterrâneo, no início da Idade Moderna, atravessava o Saara em caravanas de camelos,
vindo de Tombuctu, às margens do rio Níger; a partir da exploração da costa atlântica pelos portugueses, mais ouro, agora em Axante, alimentou a economia européia, mas a principal mercadoria passou a ser os escravos, que construíram os impérios coloniais.
Para nós, brasileiros, a África tem importância especial, sendo juntamente com Portugal uma
das grandes matrizes da nossa sociedade.
Antes de mais nada, é preciso mostrar aos alunos que as imagens que a mídia veicula são um aspecto parcial das realidades, geralmente aquele que vende jornais e revistas. Veja a imagem
que a mídia veicula do Brasil: as guerras dos traficantes, os massacres de ativistas políticos, a corrupção do Estado, etc. são tomados como a totalidade da realidade. Nós, que vivemos nossas vidas dia após dia, sabemos ser bem mais complexa e variada essa realidade.
Assim, conflitos étnicos, genocídios, crianças famélicas e aidéticas, líderes corruptos e cruéis certamente fazem parte da realidade de muitas sociedades africanas, que são também "muito
mais" do que isso. E é esse "muito mais" que tem de ser conhecido, para que possamos ajudar
de fato aqueles que precisam e para que também aprendamos com outras maneiras de viver.

Boletim Ática:
O Brasil tende a mascarar essa riquíssima herança na sua formação?

Marina:
A herança africana está muitas vezes mascarada, travestida de folclore, de exotismo, de algo marginal e secundário, frente à precedência das contribuições européias.
A força da ideologia é tamanha que até há pouco tempo o próprio afro-descendente ignorava sua herança cultural africana, tendo como ideal exclusivo os valores europeus.
Há muito já se percebeu que a grande riqueza cultural e o diferencial do Brasil reside em ser
um país mestiço, em que povos se misturam. Pretos, brancos e amarelos; bantos, iorubas, tupinambás, guaranis, carijós, portugueses, espanhóis, italianos, japoneses, libaneses e
tantos outros.
Enquanto a Europa se desnorteia diante da invasão de africanos e árabes que vão buscar na metrópole aquilo que lhes foi prometido na época dos grandes impérios - que tomaram conta de
suas riquezas e de suas sociedades, e quase nada deixaram em troca -, nós estamos calejados
para viver o contato com a diferença. Mas percebemos pouco essas vantagens, porque ainda
temos preconceitos dentro de nós, dando menos valor às nossas heranças ameríndias e
africanas do que às européias.

Afiliados Cursos 24 Horas - Ganhe Dinheiro com seu Site
Ganhe Dinheiro com seu Site no Sistema de Afiliados - Cursos 24 Horas

Outros temas

Classe média negra no Brasil: negros em ascensão social

O movimento docente e a proposta de cotas para
negros no ensino superior

A Descolonização Afro-asiática

Bolsa de Estudo em troca da isenção de Impostos

O Igualitarismo Acabou

A Igualdade de Acesso a Escola

A Construção do Indivíduo Ético

...ou visite
Todos os Artigos Avulsos Constantes no Site


Leituras Recomendadas  -  Click no Título

A ECONOMIA POLÍTICA DA ESCRAVIDÃO
Marina de Mello e Souza - Ática

A ESCRAVIDÃO NO BRASIL
Enrique Peregalli - Global

A NEGAÇÃO DA ORDEM ESCRAVISTA
Carlos Magno Guimarães - Icone

A VERDADE SEDUZIDA:
CONCEITO DE CULTURA NO BRASIL

Muniz Sodré e Souza - Francisco Alves

LUANDA BEIRA BAHIA
Adonias Filho - Difel

MANDELA POR ELE MESMO
Nelson Mandela - Martin Claret

NEGROS DA AMÉRICA
Roi Ottley - O Cruzeiro

O RACISMO NA HISTÓRIA DO BRASIL
Maria Luiza Tucci Carneiro - Ática

REPÚBLICA DAS ETNIAS
Paulo Reis, Organizador - Gryphus

ÁFRICA DO SUL: O APARTHEID
Fernando Portela - Ática

HISTÓRIA VIVA: TRÁFICO NEGREIRO
Editora Duetto

RACISMO E ANTI-RACISMO
Zilá Bernd - Moderna

O ESCRAVISMO NO BRASIL
Mario Maestri - Moderna

ESCRAVIDÃO NO BRASIL
Edição especial - Revista Veja

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS

VOCÊ, TAMBÉM, PODE COMPRAR
ESSES LIVROS PELA
ESTANTEVIRTUAL.
VISITE NOSSO ACERVO




Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
Marina de Mello e Souza