Textos, Artigos e Analises
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email   
Um Certo Capitão Rodrigo
Érico Veríssimo
Aqui está um dos capitães mais famosos neste País..... É a personagem gaúcha de maior presença no romance brasileiro e se perfila entre as perfeitas criaturas da novelística moderna.


Um Certo Érico Veríssimo


A novela "Um Certo Capitão Rodrigo" , é uma parte do livro "O Tempo e o Vento", do escritor gaúcho Érico Veríssimo (1905-1975) escrito na segunda fase da carreira do escritor.

Além de o O Tempo e o Vento (48, 51, 61), outras obras de Veríssimo foram "Clarissa",
em 1933, seguindo-se "Música ao Longe"(35); Caminhos Cruzados; Um Lugar ao Sol"(36);
"Olhai os Lírios do Campo"(1938); "Saga"(40) e "O Resto é Silêncio"(43); "O Prisioneiro"(67), "O Senhor Embaixador" (65) e "Incidente em Antares" (71); Noite; Em 73 publicou seu
livro de memórias: "Solo de Clarineta" e outras coisas: livros infantis, roteiros de viagem, etc.

A obra "O Tempo e o Vento" possui um cunho histórico-regionalista que destaca um panorama da história do Rio Grande do Sul.
A reconstituição das origens e os episódios da formação social desde os séculos XVIII / XIX até a Segunda metade do século XX.

É um livro que agrupa três blocos ou três volumes:

I- O Continente


(1948-Inclui as novelas: "O Sobrado", "Ana Terra" e "Um Certo Capitão Rodrigo"). Onde destaca a colonização do Rio Grande do Sul. Guerrilhas, assaltos dos espanhóis da fronteira. Formação de cidades, estabelecimento das oligarquias.
Essas novelas são unidas por cantos (poéticos) folclóricos/populares. A região de Santa Fé é ponto de convergência e irradiação. As famílias Amaral, Terra e posteriormente os Terra-Cambará envolvem-se em brigas mirabolantes políticas e pessoais. Federalistas
versus republicanos (1893).

II- O Retrato


(1951). Segunda parte da trilogia aborda os anos de 1909 a 1915. O panorama dos dois séculos anteriores desenvolve-se, amplia-se e sugere o princípio do Estado Novo.
Rodrigo Cambará é getulista , vive entre Santa Fé e Rio de Janeiro. Percebe-se por toda a
narrativa o foco sobre a degradação lenta e progressiva dos valores morais rio-grandenses.

III-O Arquipélago

(1961) Santa Fé novamente serve de ambientação. O ano é 1945.
O sobrado dos Cambarás se transforma em "Ilhas" de incomunicabilidade. Veríssimo joga
com o tempo nos diversos níveis na narrativa. No capítulo final, Floriano Cambará começa
a escrever o romance que seria intitulado "O Tempo e o Vento".

O que notamos em Érico é o uso convencional da linguagem e que ele vacila um pouco
na concepção dos personagens.

Em "Um Certo Capitão Rodrigo", por exemplo, vemos uma forte influência naturalista que se
alastra por todo o romance, contaminando-o com um materialismo impressionante.
A ótica panfletária permeia uma estética que beira o romantismo o tempo todo. Em 28 capítulos acompanhamos a chegada do Capitão Rodrigo a Santa Fé.

Ele é obcecado por sexo e por levar uma vida selvagem, o que não o impede de conspirar contra
o governo imperial (Pedro I e Pedro II), por pura diversão, como ele mesmo afirma várias vezes.

Casa-se com Bibiana Terra, neta de Ana Terra, têm com ela três filhos:
Bolívar, Leonor e uma que morreu, Anita. Na morte desta menina Rodrigo, um homem que
pensava muito no próprio prazer, estava bebendo, jogando e divertindo-se e seu comentário
quando foram chamá-lo foi : "Que morra!".

Bibiana tem "boca carnuda, lábio inferior mais espesso que o superior, faces coradas como
uma fruta madura, seios pontudos, rijos e quentes . Apalpá-los seria o mesmo que apertar
duas goiabas maduras"- não satisfeito em comparar homens a animais, Érico
vegetaliza seus personagens.

A "potranquinha arisca" é devota de Nossa Senhora da Conceição, padroeira dos santa-fezenses. Como esposa é completamente submissa até em relação ao adultério, cachaça, jogo,
vagabundagem: "Ele é meu marido e eu gosto dele". Ela é filha de família importante, os Terra, rivais dos Amarais , que dominavam a região. Os costumes do Rio Grande do Sul, comidas,
roupas etc, são exibidos de forma dinâmica.

Rodrigo Cambará é ateu convicto: "Se Deus é grande, a vontade de viver é maior".
Pai decidido: Se o filho lhe sair maricas, ele diz: "Atiro nele no primeiro perau que encontrar
no caminho". Sobre a escravidão argumenta: "Sou contra só por uma coisa: não gosto de ver
homem rebaixado por homem. Ele representa o herói extremista: Luta contra os desmandos
das portuguesada de Pedro I, enfrenta os chefes políticos, e morre em combate durante uma revolução. Inicia-se o clã dos Cambará- Terra, a partir dos seus filhos. A saga continua.

Moisés Neto
Professor com pós-graduação em Literatura, escritor, membro
da diretoria do SATED (Sindicato dos artistas e técnicos
em espetáculos de diversão em Pernambuco).


RESUMO - 02


Um Certo Capitão Rodrigo


O sexto capítulo da parte ou volume O Continente da trilogia cíclica O Tempo e o Vento.
Santa Fé, 1828.

Chega a Santa Fé o Capitão Rodrigo Cambará. Tinha 30 anos e participara de várias guerras,
em 18811, 1817, 1821 e 1825. Faz amizade com Juvenal Terra. Conhece Bibiana quando
esta vai ao cemitério colocar flores na sepultura de sua avó, Ana Terra. Rodrigo decide
permanecer em Santa Fé.
A conselho do padre Lara, o vigário, vai pedir permissão à autoridade da região, coronel Ricardo Amaral Neto. O coronel, alegando não ser a vila lugar para pessoas como ele, pede que vá embora. Mas o capitão está disposto a ficar. Bibiana Terra o impressionara. Ficava horas a fio olhando para sua casa, na esquina da praça.
Por causa da jovem, Bento Amaral e Rodrigo desentenderam-se numa festa.
Sobem a coxilha para um duelo. Rodrigo é atingido por um tiro disparado por um capanga de
Bento Amaral. Juvenal acolhe o Capitão Rodrigo, muito ferido, em sua casa. Restabelecido, ele casa-se com Bibiana em 1829.
Rodrigo passa a trabalhar com Juvenal. Abrem um armazém com mantimentos que trazem d
e Rio Pardo.
Nascem Bolívar e Anita, filhos de Bibiana e Rodrigo, e Florêncio, filho de Juvenal e Arminda.

Em 1833, chegam a Santa Fé imigrantes alemães. São eles Erwin Kunz e Hans Schultz e
suas famílias. Instalam-se em pequenos ranchos nos arredores da vila.

Capitão Rodrigo não consegue acostumar-se à pacata vida de Santa Fé. Joga, envolve-se com
outras mulheres, trabalha pouco. Sua filha Anita, morre sem que ele viesse para socorrê-la.

Inicia-se a Revolução Farroupilha e Rodrigo vai para as batalhas. No ano de 1836, os
legalistas atacam a vila. Acompanha-os Rodrigo, que se encontra com Bibiana,
à sua espera em casa.
O grupo toma o casarão dos Amaral, mas Rodrigo morre atingido no peito por uma bala.
 

Dona Picucha Terra Fagundes, filha de Horácio Terra, conta histórias de seus novos heróis - Garibaldi, Bento Gonçalves e Canabarro. E fala das guerras que tomaram conta
do Rio Grande e levaram seus filhos.

"Sou valente com as armas,
sou guapo como um leão,
índio velho sem governo,
Minha lei é coração."



Capitão Rodrigo - 03


Aqui está um dos capitães mais famosos neste País e por aí a fora. É a personagem gaúcha de
maior presença no romance brasileiro; é uma das mais altas de toda a ficção nacional; ou ainda: Rodrigo Cambará se perfila entre as perfeitas criaturas da novelística moderna.
Tem vida como vivente legítimo, vida livre e tumultuada, cheia de atos e cheia de símbolos.

Milhares de leitores o confundem - pelos gestos amplos, a voz ora brincalhona e ora terrível e mandante, as gargalhadas de boêmio e a seriedade de revoltado, a coragem, os devaneios, o
olhar permanente na obsessiva luz da liberdade - confundem-no com a
própria terra rio-grandense.

Muitos ainda choraram e ainda chorarão a sua morte, acontecida "no momento em que a
maturidade chega e o vigor físico e a alegria de viver continuam a habitar seu corpo...", mas acontecida porque "ele mesmo vive a dizer que Cambará macho não morre na cama". Há os
que o odeiam, pois "um homem que ama a liberdade e luta por ela é sempre uma figura que os tiranos detestam e temem." Há os xarás às centenas ("uma epidemia onomástica") a lhe
lembrarem a existência e sempre haverá, espalhados pelomundo, muitos homens que se
alegrariam em perseguir os mesmos ideais.

Quis a Editora Globo lançar em separado essa estória já tornada mitológica do Capitão,
deslocando-a das setecentas páginas de O Continente e do verdadeiro maciço de duas mil e quatrocentas páginas que formam O Tempo e o Vento.

Consultado sobre o projeto, Érico Veríssimo mostrou-se indeciso, sempre ciosos da integridade física de sua grande obra mas acabou concordando, por levar em conta exatamente essa noção de que Um Certo Capitão Rodrigo constitui algo completo em si mesmo.

Lembrou-se de que, em 1966, discutindo com estudantes de Toulouse, na classe do Prof. Jean Roche, dissera ser O Continente "uma espécie de
feixe de novelas independentes, por assim dizer amarradas pelo episódio intitulado O Sobrado". Outras estórias tão inteiras como a do Capitão poderiam ser ainda extraídas do opulento filão, sem prejuízo (bem ao contrário) de nada e de ninguém.
Sabem todos o que significa O Tempo e o Vento. Traduzida para várias línguas cultas, é
obra que já se perenizou. "Um livro que durará e nos fará durar" disse Oswaldo Aranha.

"Grande livro...um dos mais significativos que tem aparecido na literatura brasileira",
saudou Gilberto Freire.

São opiniões entre muitas. E ainda há, espontânea, a opinião constante dos leitores, fascinados
por figuras sólidas como Ana Terra, Bibiana, os Amarais, dezenas de outras, e principalmente
por esse desejado parente e amigo de cada um, o altivo Capitão das arábias que, numa tarde ensolarada de outubro, chegava a Santa Fé ninguém sabia de onde e que lá morria, anos
depois, sabendo todos o que e o quanto significava.

A imensa simpatia popular teria mesmo de influir na decisão de Érico Veríssimo em permitir
ao Capitão andar sozinho em livro especial, vivendo suas aventuras fora da massa de gente
e espaço contida nos 150 anos que são o fundo espesso de O Tempo e o Vento. Autor e Editora
são sensíveis a esse gosto do grande público e a presente edição de Um Certo Capitão
Rodrigo representa, no final de contas, uma expressão de agradecimento.

Afiliados Cursos 24 Horas - Ganhe Dinheiro com seu Site
Ganhe Dinheiro com seu Site no Sistema de Afiliados - Cursos 24 Horas



Biografia


O escritor modernista (1905-1975) era de uma família arruinada financeiramente e exerceu
várias profissões na juventude.
Farmacêutico, sua farmácia faliu porque:
a) se desentendia com os fregueses,
b) recusava-se a vender certos remédios,
c) passava o tempo todo lendo Ibsen e escrevendo no papel de
embrulho da farmácia e principalmente porque
d) havia uma garota de olhos azuis que morava na frente da farmácia, Mafalda,
com quem se casaria e teria seus dois filhos. Deixou o interior do RS após a separação
dos pais e foi para POA, onde foi jornalista e secretário de revista.

Trabalhando na Livraria do Globo, tornou-se grande amigo de Henrique Bertaso, filho
do dono, de quem escreveu uma biografia.
Veríssimo traduzia e trabalhava durante a semana e escrevia durante os fins de semana.
Até a publicação de Olhai os Lírios do Campo, Veríssimo não tinha popularidade.

Fortemente antifascista, assinou um manifesto em 1935 contra o fascismo e isso lhe
rendeu algumas (falsas) acusações de comunista. Sentindo-se sufocado pelo Estado Novo,
aceitou em 1943 um cargo como professor universitário nos EUA (e ele nem sequer
completara oficialmente o segundo grau) e foi ensinar na Universidade de Berkley, na
Califórnia. Viajou muito, especialmente quando nos anos 50 teve um cargo na União
Pan-Americana. Teve vários enfartes e um lhe foi o fatal em 1975. Não chegou a completar
o segundo volume de sua autobiografia, Solo de Clarineta, que seria uma trilogia.

Algumas curiosidades:


O ambiente que Érico Veríssimo usava para escrever era esse: uma sala escura e
praticamente vazia, onde havia apenas uma velha máquina de escrever numa escrivaninha
quase vazia, um cabide para pendurar chapéu, bengala e guarda-chuva e uma escarradeira.
O título original de O Tempo e O Vento seria Encruzilhada. Sofrendo de bloqueio de escritor
após O Retrato, Érico Veríssimo aceitou um emprego nos EUA para, entre outros motivos,
não precisar escrever O Arquipélago.

Algumas das obras de Veríssimo são reedições: Ana Terra e Um Certo Capitão Rodrigo são
extratos de O Continente, enquanto A ponte é um extrato do livro de contos O Ataque.
Os nomes usados por Érico Veríssimo em seus primeiros romances não são originais.
Tanto os sobrenomes "Terra" quanto "Cambará" já haviam sido usados em romances
da primeira fase.

Veríssimo testava seus livros infantis da melhor maneira possível: contava as histórias aos
filhos de Henrique Bertaso e, se eles gostavam, então era porque a história era boa.
E a história era publicado pelo próprio Bertaso, que era seu editor.
Quando Veríssimo morreu, Carlos Drummond de Andrade lhe escreveu um poema
elegíaco, disponível na biografia deste autor.

Muito da biografia de Veríssimo se confunde com sua obra: seu tio Nestor e seu pai
Sebastião inspiraram Toríbio e Rodrigo Terra Cambará de O Tempo e O Vento, e alguns
episódios de sua vida encontram-se nas vidas de Vasco, Eugênio e Floriano, esse último
uma alma gêmea filosófica do autor.
Veríssimo era apaixonadíssimo por Portugal.
A sua obra que menos gosta é Saga. Ele considerava que um homem como Vasco Bruno
jamais faria o que fez no final da história.
Tibicuera, herói de um de seus livros infantis, é o apelido pelo qual sua mãe o chamava.

Leituras Recomendadas  -  Click no Título

UM CERTO CAPITÃO RODRIGO
Érico Veríssimo

O TEMPO E O VENTO - O CONTINENTE
Érico Verissimo

AS AVENTURAS DE TIBICUERA
Érico Veríssimo

CLARISSA
Érico Veríssimo

O TEMPO E O VENTO - O RETRATO I
Érico Veríssimo

UM CERTO HENRIQUE BERTASO
Érico Veríssimo

ANA TERRA
Érico Veríssimo

O SENHOR EMBAIXADOR
Érico Veríssimo

SAGA
Érico Veríssimo

A DÉCIMA SEGUNDA NOITE
Luis Fernando Verissimo - Objetiva

O ANALISTA DE BAGÉ
Luis Fernando Verissimo - Record

O OPOSITOR
Luis Fernando Verissimo - Objetiva

COMÉDIA DA VIDA PRIVADA
SELEÇÃO DE CRÔNICAS

Luis Fernando Verissimo - LPM

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS

VOCÊ, TAMBEM, PODE COMPRAR
ESSES LIVROS PELA
ESTANTEVIRTUAL.
VISITE NOSSO ACERVO





Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor