A Igreja e
os Papas
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email
Curiosidades sobre os Papas
Fontes de consulta***

Breve Histórico

264 papas reinaram na história da Igreja Católica desde o primeiro, Simão Pedro, que
morreu como mártir no ano 64 depois de Cristo, até o polonês João Paulo II.

Na lista, aparecem apenas 262 nomes, já que um deles, Bento IX, reinou três vezes. Eleito em 1032, foi deposto em 1044. Recuperou o trono de Pedro em 1045, ano em que abdicou, para depois voltar em 1047 e ser deposto definitivamente um ano depois.

Se Bento IX foi o último papa a ser destituído, não foi o único. Sete tiveram o mesmo
destino antes dele. O papa Silvério (536-537) foi o primeiro. Cinco abdicaram.

No total, 21 papas morreram como mártires e outros nove sob o martírio.
Quatro faleceram no exílio e um na prisão. A esta lista, somam-se nove pontífices que desapareceram em circunstâncias violentas: seis assassinados, dois mortos devido a ferimentos durante revoltas e um pelo desabamento do teto do local onde estava.

Oitenta e cinco papas foram santificados. Outro sete papas foram beatificados. O anuário
pontifício reconhece também 37 antipapas (entre eles São Hipólito) e mais duas figuras
citadas nas notas de páginas.

O nome de Estevão não aparece no anuário porque morreu poucas horas depois da eleição.
O pontificado de Urbano VII foi o mais curto da história da Igreja, durou 13 dias.

O reinado mais longo, 34 anos, foi o de São Pedro, o príncipe dos apóstolos. Depois,
somente Pio IX reinou mais de 30 anos (de junho de 1846 a fevereiro de 1878).
Treze papas reinaram mais de 20 anos, mas a média dos pontificados é de 8 anos.

Desde Simão Pedro, o período mais longo sem um papa foi de três anos, sete meses e
um dia (de 26 de outubro de 304 a 27 de maio de 308), entre Marcelino e Marcelo I.

Conclave


A criação do conclave, em 1274, deve-se justamente à demora para escolher o sucessor de Clementino IV. Já tinham se passado dois anos e nove meses de deliberações, quando os
habitantes de Viterbo, cidade onde os eclesiásticos estavam reunidos,
resolveram trancá-los e mantê-los a pão e água para acelerar a decisão.

Gregório X regulamentou a prática, que foi submetida a 53 reformas.
No início dos anos 70, Paulo VI fixou em 120 o número máximo de cardeais eleitores, cuja idade não pode superar os 80 anos.
A regra de eleição por maioria de dois terços, e mudada por João Paulo II para 50% mais um, foi imposta por Alexandre III, em 1180.

Este mesmo pontífice criou o Sacro Colégio dos Cardeais, cujo número mudou de dez
para 20 no curso de três séculos. Em 1585, Sisto V aumentou o número para 70,
em honra aos 70 anciões que assistiram Moisés. O número foi modificado
outra vez séculos depois, por João XXIII.

Nomes dos Papas


Ao deixar seu nome de batismo, para chamar-se João Paulo II, Karol Wojtyla relançou
um antigo hábito iniciado por Gregório V em 996 e seguido por 131 de seus 133 sucessores.
Antes do século X, somente seis papas mudaram o próprio nome por diferentes motivos,
como João II (532).

Depois de Simão da Galiléia, nenhum papa adotou o nome de Pedro.
Paulo XIV (983), que foi batizado assim, não quis quebrar o que muitos
consideravam um tabu.
O nome mais empregado é João (23 vezes), seguido por Gregório (16), Bento (15),
Clementino (14), Leão e Inocêncio (13) e Pio (12).

Dos 262 papas, 210 nasceram na Itália, 99 deles em Roma. Dos 52 restantes,
16 franceses (segundo as fronteiras atuais), 12 do antigo mundo grego, seis da Síria e
três da Palestina, cinco da atual Alemanha, três da Espanha e a mesma quantidade
da África e um da Inglaterra, Portugal, Holanda e Polônia. http://internacional.dgabc.com.br/materia.asp?materia=466951



falando de papas sem papas na língua.


O poder dos papas na Idade Média alcançou uma magnitude dificilmente avaliável nos
dias de hoje. Basta lembrar que o papa Bonifácio VIII, em seu curto reinado de 1294
a 1303, sentiu-se muito à vontade para emitir uma bula liberando os clérigos de impostos,
e uma outra onde declarava que o poder espiritual e temporal dos papas era
superior ao dos reis...
O poeta Dante visitou Roma durante o seu reinado e parece não ter comungado dessa
opinião, pois logo depois descreveu o Vaticano como “esgoto da corrupção”.
No século XIII, o pontífice romano dispunha de mais vassalos feudais do que qualquer
outro suserano, e a lei canônica era aplicada indistintamente a todos os países cristãos do
continente europeu. Qualquer súdito suspeito de heresia era taxado por Roma não apenas
de inimigo da fé, mas de “inimigo da sociedade”!

O poder do papa era tão imenso nesse período, que acabou dando origem ao chamado
“Grande Cisma”, o qual manteve a Igreja dividida entre os anos de 1378 a 1417.
O que aconteceu foi que o papa eleito em 1378, Urbano VI, se opôs aos cardeais não
italianos, que, devido a isso, resolveram eleger por conta própria um outro papa,
Clemente VII, suíço de nascimento.
Urbano VI era apoiado pela Inglaterra, Polônia, Dinamarca e Suécia, enquanto
que Clemente VII contava com o apoio da França, Escócia e países ibéricos.
A sede de Urbano VI era Roma, a de Clemente VII a cidade de Avignon, na França.

Nessa época, todo europeu encontrava-se excomungado por um papa ou pelo outro caso não se submetessem, e cada lado acusava o outro de ser o Anticristo.

Com o propósito de resolver o impasse, visto ter fracassada uma singela tentativa de
solução pelas armas, o Concílio de Pisa, com apoio da Universidade de Paris,
elegeu o papa Alexandre V em 1409, que não pôde resolver o caso porque inoportunamente
morreu logo em seguida, tendo sido substituído pelo primeiro João XXIII.

Embora declarados ilegítimos pelo Concílio, os dois papas anteriores, o de Roma e o
de Avignon, mantiveram-se firmes em seus postos, de modo que a Igreja passou a
contar nessa época com três Vigários de Cristo a zelar pela doutrina, cada qual se
esmerando em anátemas e excomunhões.

O conflito só serenou quando o Concílio de Constança (1415 – 1418) se reuniu e depôs
os três papas briguentos, elegendo um quarto, Martinho V, daí novamente o único
pontífice universal, reconhecido por todos, e com isso a pax romana retornou ao
seio da Igreja de Roma.

O termo pontífice


Esse termo provém do vocábulo pontifex – “construtor de pontes”, título sacerdotal usado
nos ritos pagãos da Roma antiga, designando aquele que, por seu ofício de sacerdote,
formava o elo ou ponte entre a vida na Terra e no Além.

A forma pontifex maximus (sumo pontífice) era uma das expressões do culto divino dirigido
ao imperador romano, e apenas a este. Unicamente o imperador era o pontifex maximus.

Essa denominação foi surrupiada pelo papado pouco depois do seu início, na gestão
de Leão I, chefe da Igreja entre os anos 440 e 461.
Foi ele quem deu início à concorrida linhagem de césares papais ao tomar para si o título
de “sumo pontífice”, encantado com a magnificência do rótulo.

Podemos afirmar que o Império Romano nunca se extinguiu de fato, mas continuou
existindo, inclusive sob esse mesmo nome, até a idade moderna.
A única diferença é que seus súditos e vassalos não eram mais constrangidos pela lança e
os louros do imperador, mas pelo báculo e a mitra do bispo de Roma. Quase nada mudou.

O costume de manter arquivos papais deriva da prática imperial romana, e o transporte do papa no alto, na chamada sedia
gestatoria, é igualmente um meio de transporte oriundo
da Roma antiga.
Mesmo o Código de Direito Canônico foi inspirado no Direito Romano.
Até recentemente, qualquer um que não comungasse da fé católica tornava-se efetivamente um novo “bárbaro” aos olhos da Igreja e do mundo ocidental. E tal como seu antecessor, o atual Império Romano da Igreja, fundado em concepções errôneas das palavras de Cristo, foi igualmente conservado pelo medo e
expandido pela força.

A Terminologia "Papa"


O termo “papa” é formado pela junção das primeiras sílabas de duas palavra latinas:
pater patrum – “pai dos pais”.

A própria História comprova como muitos papas – os “pais dos pais” da Igreja – mandaram
utilizar paternalmente o punhal e o veneno, contra seus próprios pares, na consecução
de objetivos puramente terrenais.

Quem inaugurou, ou melhor, foi inaugurado no estilo de morte papal por envenenamento
foi João VIII, assassinado no remoto ano de 882.

Cerca de dez anos depois foi a vez do papa Formoso ser misteriosamente
envenenado na Santa Sé.
Seu sucessor, Estevão VII, aparentemente incomodado com esse rápido falecimento
enigmático, fez questão de exumar o corpo do papa morto, excomungá-lo solenemente
com as vestes pontificais, mutilá-lo, arrastá-lo pelas ruas de Roma e lançá-lo no rio Tibre.
O misericordioso Estevão VII acabou morrendo pouco depois, trucidado pelo povo.

Em 904 o papa Leão V foi assassinado pelo seu sucessor, Sérgio III, que já havia tentado
antes se apoderar do trono pontifício, sem sucesso.

Poucos anos mais tarde, o papa João X foi envenenado pela filha de sua amante, essa
última mãe de seu sucessor, João XI.
O papa João XI foi liquidado em 936. Em fins do século XIII.
O papa Celestino V foi envenenado pelo seu sucessor, Bonifácio VIII.

Especial destaque homicida merece ser dado ao papa Alexandre VI, um sátrapa que
ascendeu ao trono pontifício no ano de 1492 e logo cuidou de transformar
o palácio papal um bordel.
Seu tristemente célebre reinado de terror ficou marcado tanto pelo punhal como
pelo veneno, freqüentemente utilizados por seus correligionários, com grande habilidade,
para abrir caminho nas fileiras dos opositores.
Traições sucessivas, luta de facínoras pelo poder, sangue derramado aos borbotões – tal
é o enredo secular da história dos papas. (Roberto C.P. Júnior)

Em relação a outros temas, o currículo deles não é melhor...........


O Papa é Pop 


...........Vamos conhecer um pouquinho da História dos Papas. Todos esses fatos
estão documentados. Retirei as lendas e as informações controversas,
como a da Papisa Joana.
As informações mais desconcertantes foram removidas, o que sobrou, basta para
dar uma idéia de como era divertido ser Papa...

79 - 90: Anacleto (ou Cleto)
Tinha uma prostituta como amante, cometeu incesto com a irmã e alguns outros parentes
femininos; violentava freiras

366 - 384: Dâmaso I
Assassinou seus rivais ao Papado. Julgado por adultério em 378, perdoado pelo Imperador.

432 - 440: Sisto III
Julgado por estuprar uma freira, mas foi liberado por não haver testemunhas...

896 - 897: Estevão VI
Odiava tanto seu predecessor que exumou seu corpo, o julgou e condenou. Ao final
decepou do cadáver os 3 dedos com que os Papas dão a bênção, e fez com que o corpo
fosse atirado no rio Tiber.

904 - 911: Sérgio III
Gostava de sexo com meninas menores de idade. Quando tinha 45 anos, sua amante
contava com apenas 15 anos de idade.

936 - 939: Leão VII
Morreu de ataque cardíaco enquanto fazia sexo

955 - 964: João XII
Ateu, bisexual, invocada o demônio durante o sexo, castrou um cardeal, morto pelo
marido irado da mulher com quem ele estava copulando.

965 - 972: João XIII (João de Nardi)
Enforcou um prefeito com seu cabelo, deflorou a própria sobrinha, morreu como seu pai,
João XII, morto pelo marido irado da mulher com quem ele estava copulando.

1033 - 1046: Bento IX (Teofilato de Túsculo)
Assassino, acreditava em bruxaria, praticava bestialismo, promoveu selvagens
orgias bisexuais, casou com a própria prima e então vendeu o papado.

1073 - 1085: Gregório VII (Hildebrando, monge)
Acreditava que livre pensamento não deveria ser permitido, pois levava à Heresia.

1276 - 1277: João XXI (Pedro Juliani)
Originalmente era médico de Gregório X, mas sua incompetência o matou, bem
como dois sucessores. João virou Papa de forma sumária, mas morreu logo após.
Alguns acreditavam que ele era o anticristo.

1484 - 1492: Inocêncio VIII (Giovanni Battista Cibo)
Pai de diversos filhos bastardos

1294 - 1303: Bonifácio VIII (Bento Gaetani)
Conquistou o Papao assassinando seu predecessor, Celestivo V. Ateu, homossexual,
julgado por heresia, estupro, sodomia e comer carne durante a Quaresma

1342 - 1352: Clemente VI (Pierre Roger de Beaufort)
Dúzias de amantes

1410 - 1415: João XXIII (Baldassare Cossa)
Começou carreira como pirata. Conseguiu o papado com a força das armas. Foi
acusado de pirataria, assassinato, sodomia, estupro e incesto.

1458 - 1464: Pio II (Enea Silvio de Piccolomini)
Escrevia literatura erótica. pai de 12 bastardos

1464 - 1471: Paulo II (Pietro Barbo)
Morreu enquanto estava sendo sodomizado por um pagem

1471 - 1484: Sisto IV (Francesco della Rovere)
Teve seis filhos ilegítimos, fazia sexo com a irmã e iniciou a Inquisição Espanhola.

1492 - 1503: Alexandre VI (Rodrigo de Bórgia)
Cometeu o primeiro homicídio aos 12 anos. Pai de diversos bastardos

1503 - 1513: Júlio II (Giuliano della Rovere)
Pedófilo, fazia sexo com garotinhos e prostitutos.

1513 - 1521: Leão X (Giovani de Medici)
Homosexual, tão corrupto que inspirou Lutero a escrever suas 95 teses.

1534 - 1549: Paulo III (Alessandro Farnese)
Envenenou a mãe e a irmão, mantinha uma relação incestuosa com a própria filha, matou
cardeais por causa de uma discussão teológica, foi o maior cafetão de Roma, com 45
mil prostitutas trabalhando para ele e pagando tributos.

1550 - 1555: Júlio III (Giovanni Maria del Monte)
sodomizava garotinhos, mantinha relações com o próprio filho ilegítimo, escreveu
para ele o poema "em louvor à sodomia". http://www.carloscardoso.com/modules.php?name=News&file=article&sid=130

Os comentários são propriedade de quem os escreveu e nos enviou. Nós não nos
responsabilizamos por seu conteúdo.

Leia Também....

Uma Breve Introdução á Filosofia - Thomas Nagel

O Direito á Propriedade é Inalienável -  Ayn Rand

Balzac e Maquiavel: História e Moral - Antônio Ozaí

A Utopia, do Século XVI até os dias de hoje Thomas Morus

Meditações Metafísicas  -  René Descartes

Algumas Considerações Sobre a Ética - Aristóteles

Direita/Esquerda: Origem Ideológica dos Partidos - Eustáquio Lagoeiro

Leituras Recomendadas  -  Click no Título

DEUS NEGRO
Neimar de Barros - Loren

DA ESPERANÇA A UTOPIA
Dom Paulo Evaristo Arns - Sextante

REVISTA ÉPOCA:
FÉ ESTILO RENASCER

Editora Globo

A INQUISIÇÃO IBÉRICA
Silvia Cintra Franco

A REFORMA PROTESTANTE
Luiz Maria Veiga

A NOVA TRAIÇÃO DE JUDAS
James Rollins - Ediouro

REVISTA ÉPOCA:
RELIGIÃO E CORRUPÇÃO

Editora Globo

A VERDADE SOBRE A BRUXARIA MODERNA
Scott Cunningham - Global

A VIDA DE JESUS
Joao Francisco de Lima - Freitas Bastos

ARQUIVOS SECRETOS DE EZEQUIEL
Luiz Gonzaga Scortecci - Zenda

AS PROFECIAS DA BÍBLIA
Curtis Masil - Ediouro

ASTROLATRIA: SEGUINDO
OS PASSOS DOS DEUSES

Molinero Yogakrisnanda - Mandália

EXPLICANDO O SANTO SUDÁRIO
Renzo Baschera - Ediouro

REVISTA GALILEU: DEUS E A CIÊNCIA
Editora Globo

O JUDAS DE LEONARDO
Leo Perutz

REVISTA DAS RELIGIÕES:
O ESPÍRITO SANTO

Abril Editora

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS

VOCÊ, TAMBÉM, PODE COMPRAR
ESSES LIVROS PELA
ESTANTEVIRTUAL.
VISITE NOSSO ACERVO


Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
Fontes de Consulta
http://internacional.dgabc.com.br/materia.asp?materia=466951
Roberto C. P. Júnior é espiritualista, mestre em ciências e autor do livro on-line
"Vivemos os Últimos Anos do Juízo Final" em http://www.library.com.br/Filosofia/index.htm
http://www.socultura.com/socultura-historia7.htm http://www.carloscardoso.com/modules.php?name=News&file=article&sid=130